Monthly Archives: janeiro 2017

Destroços de avião que caiu em Paraty seguem para Angra dos Reis

Os destroços do avião que caiu na quinta-feira (19) com Teori Zavascki e outras quatro pessoas em Paraty, na Costa Verde do Rio, vão seguir nesta segunda-feira (23) em uma balsa para Angra dos Reis, cidade vizinha a cerca de 50 km. As peças foram retiradas do mar na noite de domingo (22).

 

MORTE DE TEORI
Ministro do STF sofreu acidente de avião

A Capitania dos Portos informou na manhã desta segunda que está decidindo para onde será levada a aeronave. As opções são o Porto de Angra ou o Estaleiro Brasfels, que também tem estrutura para receber a balsa.

Em Angra, os destroços serão colocados em uma carreta, que seguirá para o Aeroporto Internacional Tom Jobim (Aeroporto Galeão) no Rio de Janeiro, onde vão passar por uma perícia, feita pela Aeronáutica.

A balsa com um guindaste para içar a aeronave havia chegado ao local do acidente por volta das 18h de domingo e a remoção começou às 20h. Veja o vídeo acima.

A responsabilidade pelo içamento da aeronave é da empresa proprietária do avião, o Grupo Emiliano, que contratou uma firma especializada neste tipo de serviço.
Militares da Marinha e da Aeronáutica acompanham o trabalho. Os militares chegaram a tentar fazer a retirada da aeronave até o sábado, mas decidiram que a remoção deveria ser feita pelos donos do bimotor.

“De ontem para hoje a gente verificou que a situação era mais complexa do que a gente estava imaginando e ia requerer ações de alguém especializado nesse tipo de resgate no mar. E isso gera custos, que pela lei são de responsabilidade do explorador da aeronave”, explicou no sábado o tenente-coronel Edson Amorim Bezerra. O plano de remoção da empresa foi avaliado e aprovado pelos militares.

- Guindaste iça no final da tarde deste domingo (22) os destroços do avião que caiu no mar com o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Teori Zavascki, e mais quatro pessoas próximo à Ilha Rasa, a dois quilômetros de Paraty (RJ). O acidente ocorreu n (Foto: Fábio Motta / Estadão Conteúdo)Guindaste iça no final da tarde de domingo (22) os destroços do avião que caiu no mar com o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Teori Zavascki, e mais quatro pessoas próximo à Ilha Rasa, a dois quilômetros de Paraty (RJ). O acidente ocorreu n (Foto: Fábio Motta / Estadão Conteúdo)
Balsa com guindaste chega no final da tarde deste domingo (22) para retirar os destroços do avião que transportava o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Teori Zavascki, e caiu no mar próximo à Ilha Rasa, a dois quilômetros de Paraty (RJ). (Foto: Fábio Motta / Estadão Conteúdo)Balsa com guindaste chega no final da tarde de domingo (22) para retirar os destroços do avião que transportava o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Teori Zavascki, e caiu no mar próximo à Ilha Rasa, a dois quilômetros de Paraty (RJ). (Foto: Fábio Motta / Estadão Conteúdo)
Destroços do avião são colocados na balsa após serem içados em Paraty na noite deste domingo (22) (Foto: Reprodução / TV Globo)Destroços do avião são colocados na balsa após serem içados em Paraty na noite de domingo (22) (Foto: Reprodução / TV Globo)
Mapa Paraty atualizado- v5 (Foto: Arte/G1)

http://g1.globo.com/rj/sul-do-rio-costa-verde/noticia/2017/01/destrocos-de-aviao-que-caiu-em-paraty-seguem-para-angra-dos-reis.html

Mercado prevê menos inflação e queda maior dos juros em 2017

Os economistas do mercado financeiro estimam um comportamento melhor para a inflação neste ano e, também, uma queda maior dos juros, após o presidente do Banco Central ter indicado que manteria um ritmo mais forte de corte da taxa Selic.

As expectativas dos analistas do mercado financeiro foram coletadas pelo Banco Central na semana passada e divulgadas nesta segunda-feira (23) por meio do relatório de mercado, também conhecido como Focus. Mais de cem instituições financeiras foram ouvidas.

A estimativa do mercado para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deste ano recuou de 4,80% para 4,71%. Apesar de permanecer acima da meta central de inflação, que é de 4,5%, o valor está abaixo do teto de 6% fixado para 2017.

Para 2018, a previsão do mercado financeiro para a inflação permaneceu estável em 4,50%. O índice está em linha com a meta de inflação do período (4,5%) e também abaixo do teto de 6% para o ano que vem.

Taxa de juros

O mercado financeiro também voltou a baixar a sua previsão para a taxa básica de juros da economia, a Selic, de 9,75% para 9,50% ao ano no fechamento de 2017. Essa estimativa pressupõe um corte maior de juros nos próximos meses. Atualmente, os juros estão em 13% ao ano.

Para fevereiro, o mercado financeiro também passou a estimar uma redução maior da taxa Selic. Até então, projetava um corte de 0,50 ponto percentual, de 13% para 12,50% ao ano, mas, na semana passada, revisou a estimativa e passou a projetar um corte de 0,75 ponto percentual, para 12,25% ao ano.

A mudança acontece após o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, ter indicado, em Davos (Suíça), onde participou da reunião do Fórum Econômico Mundial, que o Comitê de Política Monetária (Capom)manterá um ritmo mais forte de queda dos juros.

“Temos entrado em um novo ritmo, de 0,75 [ponto percentual de corte]. É um novo ritmo, mas, como você sabe, o ritmo pode mudar. E, se acontecer, isso muda por conta das expectativas de inflação, nossas e do mercado, e dos fatores de risco. Mas entramos em um novo ritmo”, afirmou Goldfajn, na ocasião.

A taxa básica de juros é o principal instrumento do BC para tentar conter pressões inflacionárias. A instituição tem de calibrar os juros para atingir índices pré-determinados pelo sistema de metas de inflação brasileiro.

As taxas mais altas tendem a reduzir o consumo e o crédito, o que pode contribuir para o controle dos preços. Quando julga que a inflação está compatível com as metas preestabelecidas, o BC pode baixar os juros.

Produto Interno Bruto

Para o Produto Interno Bruto (PIB) de 2017, o mercado financeiro manteve a previsão de um crescimento de 0,5% – mesma expectativa da semana anterior.

O governo estima uma alta de 1%, mas o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, já confirmou que deverá revisar este número para baixo.

O PIB é a soma de todos os bens e serviços feitos no país, independentemente da nacionalidade de quem os produz, e serve para medir o comportamento da economia brasileira.

Em 2015, houve uma contração de 3,8%, a maior em 25 anos. O resultado de 2016 ainda não foi divulgado pelo IBGE, mas a previsão do mercado é de um “tombo” próximo de 3,5%. Essa será a primeira vez que o país registra dois anos seguidos de retração no nível de atividade da economia – a série histórica oficial, do IBGE, tem início em 1948.

Para 2018, porém, os economistas das instituições financeiras continuaram prevendo uma expansão maior do PIB, da ordem de 2,20%.

Câmbio, balança e investimentos

Na edição desta semana do relatório Focus, a projeção do mercado financeiro para a taxa de câmbio no fim de 2017 ficou estável em R$ 3,40. Para o fechamento de 2018, a previsão dos economistas para o dólar continuou inalterada em R$ 3,50.

A projeção do relatório Focus para o resultado da balança comercial (resultado do total de exportações menos as importações) em 2017 recuou de US$ 46 bilhões para US$ 45,6 bilhões de resultado positivo. Para o próximo ano, a estimativa dos especialistas do mercado para o superávit caiu de US$ 40,7 bilhões para US$ 40,2 bilhões.

A projeção do relatório para a entrada de investimentos estrangeiros diretos no Brasil em 2017 permaneceu inalterada, em US$ 70 bilhões. Para 2018, a estimativa dos analistas subiu de US$ 71,1 bilhões para US$ 71,4 bilhões.

http://g1.globo.com/economia/mercados/noticia/mercado-preve-menos-inflacao-e-queda-maior-dos-juros-em-2017.ghtml

Casos de chikungunya devem voltar a subir neste ano

  • 03/01/2017 05h44
  • Brasília
Paula Laboissière – Repórter da Agência Brasil
Mosquito Aedes aegypti
A doença infecciosa pode ser transmitida pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus –Arquivo/Agência Brasil

Os casos de dengue e Zika no Brasil devem se manter estáveis neste ano em relação ao ano passado, enquanto as infecções por chikungunya devem aumentar ainda mais. Este é o cenário previsto por especialistas do Ministério da Saúde para 2017.

Dados da pasta revelam que, em 2016, foram registrados 1,4 milhão de casos de dengue contra 1,6 milhão no ano anterior, além de 211 mil casos prováveis de infecção por Zika (não há comparativo com o ano anterior porque os dados só começaram a ser coletados em outubro de 2015).

Em relação à febre chikungunya, os registros apontam para 263 mil casos em 2016 contra 36 mil no ano anterior – um aumento de cerca de 620%.

“O mosquito pica alguém, recebe o vírus e passa para outra pessoa. Como cresceu o número de pessoas que têm [o vírus], entendemos que haverá uma ampliação [dos casos]”, explicou o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

A doença

A febre chikungunya é uma doença infecciosa febril que pode ser transmitida pelos mosquitosAedes aegypti e Aedes albopictus. O termo significa “aqueles que se dobram” em swahili, um dos idiomas da Tanzânia, e refere-se à aparência curvada de pacientes que foram atendidos na primeira epidemia documentada no Leste da África entre 1952 e 1953.

O Ministério da Saúde definiu que devem ser considerados casos suspeitos todos os pacientes que apresentarem febre de início súbito maior de 38,5ºC, dor articular ou artrite intensa com início agudo e que tenham histórico recente de viagem às áreas nas quais o vírus circula de forma contínua.

Os sintomas podem ter início entre dois e dez dias após a picada, sendo que o prazo pode chegar a 12 dias. O vírus pode afetar pessoas de qualquer idade ou sexo, mas os sinais e sintomas tendem a ser mais intensos em crianças e idosos. Além disso, pessoas com doenças crônicas têm mais chance de desenvolver formas graves da doença.

Edição: Graça Adjuto

Os celulares nos quais o WhatsApp não funcionará mais neste ano

Aplicativo usado por mais de um bilhão de pessoas vai desenvolver novas ferramentas para os telefones mais populares. Veja se o seu celular ficará sem essas mensagens instantâneas

Por BBC

 Se você usa o WhatsApp, mas não costuma atualizar com frequência o sistema operacional do seu celular, é bom fazer isso logo: em 2017 o aplicativo de mensagens instantâneas vai parar de funcionar em vários sistemas antigos.O aplicativo anunciou que quer se dedicar “às plataformas de telefones móveis usadas pela grande maioria das pessoas”. Atualmente, o WhatsApp é usado por mais de um bilhão de pessoas em todo o mundo.Com a chegada do novo ano, porém, deixou de ser compatível com as plataformas Android 2.1, Android 2.2, iPhone 3GS/iOS 6 e Windows Phone 7.Já os sistemas operacionais BlackBerry, BlackBerry 10, Nokia S40 e Nokia Symbian S60 só vão continuar sendo compatíveis com o aplicativo até o dia 30 de junho de 2017.

De olho no futuro

 “Estas plataformas foram muito importantes na nossa história, mas já não têm a capacidade necessária para expandir as funções do nosso aplicativo no futuro”, explicou o WhatsApp em fevereiro do ano passado, quando fez o primeiro anúncio da mudança.”Se você tem algum dos celulares com os sistemas citados, sugerimos que compre um modelo Android, iPhone ou Windows Phone mais recente antes que 2016 termine, para que possa continuar usando o WhatsApp”, foi a recomendação feita à época.O aplicativo lembrou que quando surgiu, em 2009, “cerca de 70% dos smartphones vendidos tinham sistemas operacionais do BlackBerry e da Nokia”.

Mas hoje os sistemas oferecidos por Google, Apple e Microsoft representam 99,5% das vendas do setor. E a maioria dos sistemas operacionais que vai perder o WhatsApp já não é instalada em novos telefones nem atualizada pelas suas companhias.

http://g1.globo.com/tecnologia/noticia/os-celulares-nos-quais-o-whatsapp-nao-funcionara-mais-neste-ano.ghtml

Passageiros morrem após ônibus sair de pista em rodovia do Paraná

03/01/2017 06h28 – Atualizado em 03/01/2017 11h06

Acidente aconteceu em Campo Mourão, na região centro-oeste do estado.

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), sete morreram.

Do G1 PR

Inicialmente, a PRF afirmou que 10 pessoas haviam morrido no acidente. Mais tarde, atualizou as informações, divulgando que sete faleceram. A empresa “Expresso Maringá”, proprietária do ônibus, chegou a falar em oito mortes. Ainda conforme a empresa, havia 42 pessoas no veículo.

O motorista do ônibus sobreviveu e foi levado para o hospital. Até as 9h15, o G1 não havia conseguido confirmar o estado de saúde dele.

Segundo a PRF, há passageiros feridos com gravidade. Um helicóptero do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi ao local para atender as vítimas.Os feridos estão sendo levados para a Santa Casa e para interclínicas de Campo Mourão.

Por meio de nota, a empresa afirmou deve informar a lista com os nomes dos passageiros mais tarde.

“Em atenção a sua solicitação informo que, diante da possibilidade de haver alguma divergência entre o nome das pessoas que adquiriram as passagens e aquelas que realmente tiveram o embarque efetivado no coletivo, somente mais tarde poderemos informar com segurança uma lista de passageiros, evitando maiores constrangimentos com os familiares.”

Velocidade
De acordo com a PRF, o disco do tacógrafo, retirado do ônibus juntamente com um perito da Polícia Civil, indica que o ônibus estava entre 100 e 110 km/h.

O limite de velocidade para o local é de 40 km/h. De qualquer forma, a causa do acidente só poderá ser determinada após realização de perícia pela Polícia Científica.

O trânsito flui normalmente tanto na BR-158, quanto na PR-317.

Quer saber mais notícias da região? Acesse G1 Norte e Noroeste.

Acidente em Campo Mourão aconteceu nesta madrugada de terça-feira (3) (Foto: Divulgação/ PRF)Acidente em Campo Mourão aconteceu nesta madrugada de terça-feira (3) (Foto: Divulgação/ PRF)
PRF fala em 10 mortos, já a empresa Expresso Maringá informou que oito pessoas morreram (Foto: Marco Mattos/ RPC Maringá)PRF fala em 10 mortos, já a empresa Expresso Maringá informou que oito pessoas morreram (Foto: Marco Matos/ RPC Maringá)

Tremor assusta teresinenses e faz pessoas deixarem prédios

Conforme o Centro de Sismologia da Universidade de São Paulo, foi registrado tremor de terra com epicentro entre as cidades de Belágua e Várzea Grande, no Maranhão com magnitude 4,6 graus na escala Ritcher às 9h43 (horário local) desta terça-feira (3).

O abalo sísmico foi sentido por pessoas em vários bairros da capital. O G1 entrou em contato com o Serviço Geológico do Brasil (CPRM) e o órgão informou que, por enquanto, não recebeu nenhuma notificação de tremores de terra.

Clientes que estavam na agência da Caixa Econômica Federal, na Rua Areolino de Abreu, deixaram o banco correndo após sentirem o abalo. Fabrício Moura, funcionário do banco, contou aoG1 que estava no 3º andar quando o fato ocorreu.

Prédios foram evacuados após tremor  (Foto: João Cunha/G1)Prédios foram evacuados após tremor e pessoas se aglomeraram na rua (Foto: João Cunha/G1)

“Eu mesmo não senti, mas o pessoal que trabalha no 5º andar, último do prédio, relataram que as mesas e cadeiras tremeram, objetos chegaram a cair e por isso começamos a descer avisar nos demais andares para que o prédio fosse evacuado. Como foi uma situação inusitada, procuramos manter a calma para que todos conseguissem sair. A agência está fechada e só vamos retornar após uma vistoria do Corpo de Bombeiros, já que o prédio tem estrutura antiga”, falou.

O servidor público Flávio Siqueira estava no prédio onde funciona a Defesa Civil do estado. Ele disse que todos os funcionários do prédio saíram correndo e que no tumulto, pessoas se machucaram.

http://g1.globo.com/pi/piaui/noticia/2017/01/tremor-assusta-teresinenses-e-faz-pessoas-deixarem-predios.html