Com 10% de aprovação, Temer nega se sentir abandonado e admite flexibilizar reforma da Previdência

Presidente quis se distanciar de Dilma e diz que não demitirá ministro citado na Lava Jato

 Do R7
Temer tenta se separar de Dilma após processo no TSE: “Uma pessoa apartada da presidente, só juntada no momento da eleição”Nacho Doce/03.04.2017/Reuters

Com 10% de aprovação entre os eleitores brasileiros, segundo o Ibope, o presidente da República, Michel Temer (PMDB), afirmou nesta quinta-feira (6) que não se sente abandonado pelo Congresso Nacional.

Em entrevista à rádio Band News, o peemedebista admitiu flexibilizar as mudanças na Previdência após ser questionado por colegas de partido e por aliados.

— Não me sinto abandonado. Já colocamos coisas dificílimas no Congresso Nacional e foram aprovadas. Quando resolvemos cortar na própria carne, com teto aos gastos públicos, [a votação] demandava 308 votos e tivemos 366 votos na Câmara e tivemos igual percentagem no Senado Federal.

Alvo de uma ação no TSE (Tribunal Superior Eleitoral), movida pelo PSDB, que pode culminar com a cassação do seu mandato, Temer tentou mais uma vez desvencilhar sua campanha eleitoral em 2014, à vice-presidência da República, da de Dilma Rousseff, candidata eleita naquele pleito para comandar o Brasil até 2018.

— Primeiro, as contas foram prestadas separadamente e foram julgadas em conjunto. Em segundo lugar, o problema não é a aplicação dos recursos, mas a arrecadação, se foi lícita ou ilícia. […] Eu arrecadei uma pequena parte para a campanha do vice-presidente da República, […] o contexto constitucional é de uma pessoa apartada da presidente, só juntada no momento da eleição. […] Quando dizem que houve 54 milhões de votos, […] houve uma coligação de partidos que ensejaram esses 54 milhões de votos.

O peemedebista disse defender a Lava Jato no plano profissional, mas disse ter direito de questionar as delações premiadas — Temer já foi citado diversas vezes na operação. Temer reafirmou que não demitirá ministros do seu governo citados na Lava Jato, apenas quem for alvo de processos.

— Defendo a Lava Jato, os resultados, mas não interfiro nela. A Constituição faz uma distinção entre o Legislativo, Executivo e o Judiciário. Cabe só ao Ministério Público e ao Judiciário, seria inconstitucional. No plano pessoal, elogio os trabalhos da Lava Jato. Segundo ponto, você sabe o que é uma delação. É o seguinte: eu falo de você, e você está condenado. Quando alguém fala de outrem, você tem que inquirir. […] Ministro que seja acusado por um delator fica no cargo até a denúncia. Se houver denúncia e ser deferida, ele se afasta do cargo. Tomei uma posição com base no Direito.

Previdência

O presidente disse que conversou com o relator da reforma da Previdência na Câmara, deputado Arthur Maia (PPS-BA), mais cedo nesta quinta-feira e “autorizou” a flexibilização das novas regras para se aposentar — desde que a idade mínima, de 65 anos, não seja alteradda.

— Acabei de autorizar o relator [da reforma da previdência] de fazer os acordos nesse tópico, desde que se mantenha a idade mínima. […] Vamos flexibilizar essas regras. O aposentado não terá prejuízo nenhum. […] A reforma da previdência não vai tirar direitos adquiridos. Depois, a aposentadoria varia de 76% a 80%, ninguém recebe a aposentadoria integral. [Com a reforma], a aposentadoria será maior do que aquela que se verifica. Vamos tomar o caso de 65 anos de idade e 35 de contribuição, ele vai se aposentar com a 86%. […] Nós não vamos prejudicar ninguém. Vamos flexibilizar para atender aos reclamos da população.

http://noticias.r7.com/brasil/com-10-de-aprovacao-temer-nega-se-sentir-abandonado-e-admite-flexibilizar-reforma-da-previdencia-06042017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *