A Justiça do Evangelho não é Juízo

Quando Deus criou o homem
ele pretendia demonstrar
o quanto é misericordioso
e também bondoso e amoroso.

Ele sabia em Sua presciência
que o homem pecaria,
e também toda a sua descendência.

Deus revelaria também
que uma vez que a sua graça é retirada
em razão da desobediência
a criatura perde a imagem do Criador,
não pode permanecer de pé
em santidade, porque sem a graça divina
a natureza humana fica corrompida,
ou seja, estragada para cumprir o propósito
para o qual fora criada.

Mas Deus demonstraria também
o seu grande poder para restaurar,
por perdoar e amar,
a humanidade que criou,
para pertencer a Cristo.

Contudo, como poderia fazer isto?

Inocentando culpados?
Um Deus justo pode fazê-lo?

O homem não é justo
porque não manteve
a imagem do Criador.

Não é justo porque não vive
segundo o caráter do Seu Senhor.

O propósito de Deus, no entanto,
jamais pode ser frustrado.
Então o que faria para tornar justo
o pecador culpado?

Que se opondo ao seu Criador
e não querendo se sujeitar à sua vontade,
segue o seu caminho de vaidade?

Que resistindo a se entregar a Jesus
resiste também ao recebimento da Sua graça?

E sem a graça, sabemos, somente há ruína,
perdição, ódio, desobediência e morte.

Ah! Que situação difícil para ser resolvida!

Difícil para nós, mas não para Deus,
a quem tudo é fácil e possível.

Difícil e penoso seria sim,
o único modo pelo qual
o pecador poderia ser justificado.

Deus visitaria o seu pecado,
com juízos, no Seu Filho Amado.

Colocaria sobre Ele nossas transgressões,
resistências e descaminhos,
e com o grande golpe do seu juízo
castigaria o próprio Cristo,
fazendo com que a justiça exigida
fosse por fim atendida.

Jesus tem desde então justiça,
e não juízo para oferecer,
pelo Evangelho.

Quem quiser ser justo,
para receber a graça
salvadora e transformadora,
basta vir a Cristo,
com a mão do coração estendida,
e Ele a concederá com agrado
para apagar nosso pecado.

Por isso Ele diz que não veio
a este mundo para condená-lo,
mas sim, para salvá-lo.

Oh! Senhor amado!
Muito obrigado por sua justiça!
Felizes são os que têm fome e sede
desta sua maravilhosa justiça,
pela qual, nós perdidos pecadores,
somos saciados,
justificados e abençoados!

Pr Silvio Dutra

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *